CAMPANHA DA AGUARDENTE PITÚ.

A Pitú, fabricante de aguardante, em comemoração aos 70 anos da marca, lançou a campanha

“A minissaia, o biquíni e o tomara-que-caia foram inventados depois da Pitú. Sabe como é, as mulheres perderam a timidez”

Consumidores reclamaram ao CONAR a associação da perda da timidez ao fato de as mulheres consumirem bebida alcoólica.

Segundo os consumidores, o comercial sugere que as mulheres, após a ingestão de bebida alcoólica, passam a sensualizar, perdendo sua timidez.

A defesa argumentou que a campanha comemorativa dos 70 anos da marca apenas registra a conquista de liberdades pelas mulheres ao longo da existência da Pitú, simbolizadas, dentre outras, em peças peças de vestuário como minissaia, biquíni e tomara-que-caia.

O CONAR decidiu pelo arquivamento da reclamação.

O debate. A publicidade, especialmente de bebida alcoólica, sempre provocará diferentes interpretações. Acrescente-se a isso o fato de o brasileiro enfrentar questões cotidianas, por mais trágicas que sejam, sempre com alegria e humor. Exemplo disso são os memes que circulam nas redes sociais, mesmo em períodos de crise política ou econômica. 

Por outro lado, a razão de ser da publicidade é a persuasão. Para o sucesso de uma estratégia comercial é importante que haja interação do produto com as crenças, desejos, expectativas e sensações dos consumidores. É um verdadeiro diálogo com as diversas camadas do destinatário: consciente, inconsciente e física.

A campanha da aguardente Pitú permite dois tipos de interpretação:

A mulher, nos últimos 70 anos, conquistou direitos e passou a gozar de liberdades antes inexistentes, tais como fumar, expor seu corpo e participar ativamente da vida política. A conquista de direitos antes reservados apenas a homens inclui a possibilidade de tomar as mesmas bebidas alcoólicas reservadas ao sexo oposto.

Por outro lado, há uma verdade incômoda no anúncio, de que depois da aguardente as mulheres perderam a timidez e, por isso, estariam justificadas suas conquistas, que no anúncio vêm traduzidas por meio de imagens, embora a frase seja clara de que se trata da minissaia, do biquíni e do tomara-que-caia. Isso denotaria sinceridade no anúncio quanto aos efeitos prejudiciais da bebida, pois a perda da timidez está associada à perda da consciência, o relaxamento, a diminuição da capacidade de discernimento.

O CONAR acolheu o argumento de que se trata de argumentação história verdadeira a relação entre mulher, bebida e liberdades individuais.

Com isso, adotou a posição menos conservadora e conferiu direito à criação de propagandas que sugiram verdades incômodas.